Arquivo da tag: tristeza

Eu Odeio o Amor

Minha vida sempre foi baseada no amor. Minha felicidade depende do amor. Na maior parte do tempo, estou amando alguém ou alguma coisa, independente da intensidade. Mas tem vezes que isso dói.

Passei quase 2 anos construindo um coração mais maduro, inteligente e auto-suficiente. Não foi fácil. Foi preciso me decepcionar muitas vezes para que essa armadura que proteje meu coração, se fortalecesse. Eu realmente achei que era forte, que estava munida contra possíveis decepções idiotas. Achei que pudesse evitar quase tudo. Eu escolheria quando amar. Aquele amor que deixa nosso coração aberto, vulnerável a tudo. A pessoa pode entrar nele e causar o estrago que quiser lá dentro.

Você vive sua vida forte e feliz, até que uma pessoa comum, como qualquer outra, entra nela. Você dá um pedaço seu à essa pessoa e ela nem pediu. Daí, um dia, essa pessoa faz algo idiota como sorrir ou te dar um beijo, e sua vida se vira de cabeça pra baixo. Você não entende, fica confuso e não sabe o que pensar, mas mesmo assim fica feliz. O amor engana. Faz você esperar por algo que nem existe.

Até que um dia, essa pessoa diz algo do tipo “Acho melhor sermos apenas amigos” e cada palavra saindo daquela boca corta seu coração em mil pedaços. A armadura que você construiu, já não existe mais há muito tempo. O amor fez ela desaparecer.

Um sentimento que deveria ser bom, te causa dor e não te deixa pensar em outra coisa. Ele tira sua armadura, te corta por dentro e depois te deixa sozinho chorando na escuridão. Nada deveria te fazer sentir assim, principalmente o amor. Eu odeio o amor.


Post baseado em um texto de Sandman.

Anúncios

78 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Relacionamentos

Recado ao coração

Querido Coração,

eu não te avisei que tinha planos? Queria passar mais um tempinho nessa rotina mais ou menos e viajar! V-i-a-j-a-r! Foi por isso que só te pedi uma coisa: vire uma pedra por um tempo. Não era pedir demais, era?

Mas não…Você foi teimoso e se apaixonou. Sim, devo concordar que não procurou por isso, simplesmente veio do nada mas você se apaixonou! Fez a única coisa que eu te pedi para não fazer pelo menos por enquanto…

Agora, que deu tudo errado, você vem todo choroso pra mim, dizer que está partido.

A culpa não é minha, eu bem tentei te avisar. Pena que não tenho autoridade nenhuma sobre você.

É coração…Agora aguenta! Aguenta que logo passa. Afinal essa não é a primeira, nem a última vez que você se machuca, né?

23 Comentários

Arquivado em Comportamento, Cotidiano, Eu, Fatos da vida, Relacionamentos

Estar só

E daí, chega uma hora que não gostamos mais de estar sozinhos.

O efêmero perde a graça. O sorriso arrancado pelo sentimento de liberdade vai se apagando e dando lugar a longos pensamentos solitários do tipo: “que saudade de ter alguém.”

Saudade de passar o final de semana inteiro em casa vendo filmes e comendo besteiras como se não houvesse amanhã. Saudades de sentir o corpo, mas não apenas corpo e sim o conhecido corpo. Acostumado corpo. A mão de sempre, que faz carinho no cabelo bem do jeito que a gente gosta. Ela parece que sabe como encostar, ela simplesmente te encontra. Saudade do cheiro, das posições costumeiras na cama. Saudade da presença ao voltar pra casa, da preocupação quando se está longe. Do telefone que toca e do jeito sempre igual de atender. Apelidos. Tons de voz. Pés se acariciando debaixo do edredon. O cheiro no travesseiro, as roupas perdidas pelo chão. O fato de não sentir frio nem no inverno, mesmo dormindo pelado. Saudade das conversas, dos silêncios e até das brigas bobas que terminam em beijos e pedidos de desculpas. Saudade de saber que tem alguém ali, que existe só pra você. Saudade de acordar dando beijo sem se importar com o gostinho ruim. Saudade de comprar uma escova de dentes nova, só para deixar na casa dele quando você esquecer a sua. Saudade do ciúmes saudável, do cheirinho ao saír do banho. Da vontade de dormir abraçadinho ou um em cada canto por causa do calor. Saudade até de sentir saudades, mas de alguém que logo volta.

Casal

Sentir isso tudo dura um dia, uma semana ou apenas um minuto. Essa é a realidade de uma pessoa solteira. Num dia estamos bem com nós mesmos e noutro…Choramos as pitangas por estarmos com o coração vazio. [até que chegue alguém e dê um jeito de preenchê-lo]

47 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Relacionamentos