Arquivo da tag: relacionamento

Amores Imaginários

Você já teve algum?

Ontem assisti um filme que queria ter visto ano passado e ele meio que me deu uma luz sobre a vida. Já pararam pra pensar quantas vezes amamos alguém sozinhos? Na verdade a gente só percebe que amou sozinho quando já parou de amar, porque daí já estamos pensando mais com a cabeça e não com o coração. É nessa hora que percebemos o quanto fomos idiotas de não enxergar os sinais. Por isso dizem que o amor é cego! Você fica completamente cego e não percebe o que realmente acontece ou acaba querendo fechar os olhos de propósito. São aquelas famosas chances que a gente dá pras pessoas quando não queremos desistir delas.

O filme Amores Imaginários (Les amours imaginaires ou Heartbeats), conta a história de 2 amigos: Francis e Marie. Eles conhecem um cara incrível e novo na cidade chamado Nick, e acabam se apaixonando por ele. Daí rola um forte triângulo amoroso e a gente fica naquela ânsia para saber se no final a amizade de Francis e Marie vai mesmo acabar porque eles começam a brigar sutilmente pelo cara. Bom, não vou contar o final do filme, quero que vocês assistam e venham aqui me contar se gostaram ou não.

A questão é que depois de ver o filme me dei conta de que muitos dos meus amores são imaginários. Amores em que amamos sozinhos, sem perceber os sinais claros onde a outra pessoa diz: não, eu não estou afim de você. É como quando a gente é criança e gosta de um menininho na escola: se o menininho parar e te der um simples oi, você já pensa: Ounnn, ele também me ama!

Além de enxergar sinais que não existem, é preciso ter muito cuidado com pessoas que dão sinais falsos. É sempre bom ter alguém gostando da gente, certo? Muitas pessoas acabam dando pequenos sinais para prenderem os outros mas na verdade é tudo uma farsa. Dar sinais falsos é uma das piores coisas que a gente pode fazer com alguém. É injusto, é maldoso e principalmente: é triste. Mostra que você não é bom o suficiente para se sentir bem sem ninguém babando seu ovo. Auto estima beibe, até quem parece bem pode não ser completamente seguro de si.

Não dê sinais falsos e esteja sempre atento às circunstâcias. Pensar com o coração é muito bonito até o momento em que começamos a ser humilhados pelo outro. Isso evita aquele sentimento péssimo que rola quando percebemos tudo que aconteceu. Droga, era tudo da minha cabeça. Mais um amor imaginário para a coleção! Quando vamos começar a dar atenção apenas aos amores que realmente interessam?

Deixo aqui o link de uma música que faz parte da trilha sonora do filme e eu adorei: The Knife – Pass This On

25 Comentários

Arquivado em Comportamento, Filmes, Relacionamentos, Vídeo

Eu Odeio o Amor

Minha vida sempre foi baseada no amor. Minha felicidade depende do amor. Na maior parte do tempo, estou amando alguém ou alguma coisa, independente da intensidade. Mas tem vezes que isso dói.

Passei quase 2 anos construindo um coração mais maduro, inteligente e auto-suficiente. Não foi fácil. Foi preciso me decepcionar muitas vezes para que essa armadura que proteje meu coração, se fortalecesse. Eu realmente achei que era forte, que estava munida contra possíveis decepções idiotas. Achei que pudesse evitar quase tudo. Eu escolheria quando amar. Aquele amor que deixa nosso coração aberto, vulnerável a tudo. A pessoa pode entrar nele e causar o estrago que quiser lá dentro.

Você vive sua vida forte e feliz, até que uma pessoa comum, como qualquer outra, entra nela. Você dá um pedaço seu à essa pessoa e ela nem pediu. Daí, um dia, essa pessoa faz algo idiota como sorrir ou te dar um beijo, e sua vida se vira de cabeça pra baixo. Você não entende, fica confuso e não sabe o que pensar, mas mesmo assim fica feliz. O amor engana. Faz você esperar por algo que nem existe.

Até que um dia, essa pessoa diz algo do tipo “Acho melhor sermos apenas amigos” e cada palavra saindo daquela boca corta seu coração em mil pedaços. A armadura que você construiu, já não existe mais há muito tempo. O amor fez ela desaparecer.

Um sentimento que deveria ser bom, te causa dor e não te deixa pensar em outra coisa. Ele tira sua armadura, te corta por dentro e depois te deixa sozinho chorando na escuridão. Nada deveria te fazer sentir assim, principalmente o amor. Eu odeio o amor.


Post baseado em um texto de Sandman.

78 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Relacionamentos

Peladisse

Esse carnaval foi algo inspirador pra mim. A começar pelo fato de que passei sozinha em casa, sem ligar a tv e sem nem lembrar que era carnaval. Não sou grande fã de sambas enredo, mulheres gostosas dançando…O máximo que curto no carnaval é a energia dos blocos carnavalescos tradicionais, as marchinhas antigas e os confetes que ficam no chão depois que o carnaval acaba, deixando só aquele gostinho da alegria que passou pela rua. Acho isso o máximo.

Nesse meu carnaval em São Paulo, passei tardes deliciosas bebendo cerveja no bar com amigos e aquele sol de rachar mostrando o quanto a cidade fica linda num feriado de carnaval: tranquila e vazia, mas com uma energia maravilhosa, que chama a gente pra aproveitar a cidade, que parece ser só nossa.

Fora que sou uma pessoa movida pelo calor. Adoro acordar e ver que o dia vai ser quente, ensolarado. Isso me faz levantar da cama com a maior disposição do mundo. Pouca roupa, muitas cores, sexualidade à flor da pele: esse é o gostoso do verão. E, grazadeus, foi assim o carnaval inteiro.

Esse calor inspira peladisse. Não peladisse de carnaval que é vulgar e disfarçada, mas sim a peladisse espontânea. Nascemos pelados, SOMOS pelados. Estar pelado é a coisa mais natural e gostosa do mundo! Pena que só me lembro disso, quando fico, de fato, pelada.

Por isso resolvi escrever esse post: para poder ler e me lembrar do quanto é bom aceitar seu corpo e ficar pelado. Minha visão atual de relacionamento perfeito é: eu e ele, em nossa casa, passando dias fazendo nada (fazer nada inclui assistir televisão, ler, cozinhar, ouvir música, dormir e fazer sexo) mas sempre pelados. Viver pelado com a pessoa que você ama, pra mim, é cumplicidade pura. É sensual. É estar disponível. “O belo pode ser simples e o simples pode ser belo” já dizia Jorge Ben. Pra mim, por um longo período de tempo, viver pelada com alguém em casa, me bastaria para ser feliz. Pelados que se amam e se aceitam, isso faria qualquer um feliz.

Mas acho que por trás disso, rola uma metáfora. Estar pelado é ser transparente em tudo, é se despir dos disfarces – que seriam as roupas – e isso é algo que me encanta num relacionamento. Ser transparente, não ter segredos, ser aberto a tentar entender e aceitar o outro. Conversar, aprender a falar e principalmente a ouvir. Se mostrar do jeito que é, não ter segredos…É lindo e ideal. E é por isso que me sinto tão bem quando estou pelada.

Então, peço que quando for pra encontrar alguém, que seja um amor pelado. Não precisa ser agora, talvez eu ainda tenha muito o que aprender e experimentar na vida, mas quando ele chegar, torço para que seja pelado. Se aparecer agora, será eterno enquanto durar. Mas peladisse é algo tão perfeito, que não queria achar antes da hora. Que isso fique registrado aqui 😉

25 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Relacionamentos, Sexo

Faça uma Loucura!

Ps. Demorei muito pra decidir se colocava ou não esse post no ar. Ele tem mais a ver com a Renata do que com a Rebiscoito, mas achei que seria válido compartilhar essa experiência com vocês. Espero que gostem! Para entender a história desde o começo, leia esse post antes: Amor Virtual

Sempre tive alguns ‘bloqueios’ na minha cabeça, relacionados a princípios, que me faziam deixar de viver certas situações. Sou muito aberta pra falar de sexo mas ao mesmo tempo nunca fui de sair tendo experiências sexuais aleatórias. Gosto de falar, pesquisar, saber de coisas novas…Mas tudo que sentia vontade de fazer, guardava para fazer quando aparecesse alguém bacana. Não digo um namorado ou o amor da minha vida, mas sim uma pessoa especial. Alguém por quem eu me sentisse atraída, me sentisse bem e tivesse intimidade. Teria que ser alguém em quem eu confiasse.

Esse ano, algo diferente aconteceu. Apareceu uma pessoa incrível e a oportunidade estava ali, batendo na minha porta. Sabe quando fica o anjinho de um lado e o diabinho do outro? Eu estava literalmente surtando, sem saber o que fazer. Será que deixo acontecer e corro o risco de me sentir usada mal depois ou esqueço essa história e parto pra outra? Até que fui almoçar com um amigo, e contei sobre meu dilema pra ele. Foi a melhor coisa que fiz. Ele me mostrou que era tudo tão simples, que até me senti meio boba por estar tão com medinho.

Poxa…Se ele é o “cara dos meus sonhos”, como eu posso deixar uma oportunidade dessas passar sem fazer nada? Não seria para o meu próprio prazer também? O que tem de tão errado em viver uma aventura? Imagina o dia em que eu estiver com alguém, que eu realmente goste, e não possa me aventurar com desconhecidos… Será que uma oportunidade assim, apareceria de novo? Um cara que eu julgo ser “muita areia pro meu caminhãozinho” estar me dando bola? Eu realmente estava sendo idiota de ter medo de deixar rolar.

Pois bem, resolvi que ia me jogar. Os horários estavam difíceis de coincidir mas ontem, finalmente aconteceu. Marcamos um encontro na casa dele e foi uma das experiências mais incríveis que eu já tive. Foi intenso, diferente. Guardo várias cenas na minha cabeça, que com certeza vou lembrar pro resto da minha vida.

O preço para viver tudo isso, foi ter deixado meus tabus de lado. Guardei todos os meus medos em uma gaveta e resolvi viver. Adquiri experiências não só sexuais, mas principalmente de vida. Sou uma pessoa melhor hoje. Não me arrependi da escolha que fiz, e vim escrever isso para incentivar todos os meus leitores a fazerem o mesmo.

Não deixem as oportunidades passarem. Agarrem-nas! Não que agora eu seja adepta ao sexo casual sempre, vou continuar tendo meus princípios. Mas fazer isso era algo que eu precisava para evoluír. Sei me cuidar e sei muito bem o que quero. No dia em que arranjar um namorado, estarei com a consciência limpa porque vivi tudo que precisava viver antes de estar com outra pessoa. Não tenho medo de coisas que as pessoas possam falar sobre mim, pois sou muito segura de mim mesma. Todos gostam muito de julgar os outros e esquecem de olhar para seu próprio umbigo. Eu sei o que me preenche e o que não vale a pena fazer. E isso não diz respeito a ninguém a não ser a mim mesma.

25 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Relacionamentos, Sexo, Uncategorized

5 Etapas para Curar um Coração Partido

Primeiramente, queria que todos soubessem que esse post foi escrito por alguém que já teve, acabou de ter e ainda terá muitas vezes, um coração partido. Sim! Eu achei um cara legal. No meio daquela solidão toda, finalmente, depois de conversas, beijos, carinhos, brigas e reconciliações, eu achei um cara legal que me fazia sentir especial. Depois de tanto procurar, quebrar a cara, sofrer e chorar, eu finalmente achei um cara legal. Ou pelo menos era isso que eu pensava.

O cara era um bosta, como todos os outros. Não entendi o motivo, e nem sei se vou entender um dia, mas…Por que é tão difícil ouvir um “não” sincero, de um homem? Qual é a dificuldade em dizer: “Olha, eu nem estou tão afim de você assim, por isso, não espere nada e nem faça nada por mim, pois eu não vou corresponder.”. É sexo que eles querem? Querem nos fazer sentir únicas pra conseguir sexo? Nunca vou saber. Mas também não acho que devo me trancar a 7 chaves, só para descobrir isso. A gente tem que deixar rolar, de acordo com nossa vontade, e principalmente: saber a hora de parar.

Essa é a primeira etapa do processo de cura de um coração partido:

Este blog mudou de endereço. Para continuar lendo esse post, acesse: 5 Etapas para Curar um Coração Partido,

 

117 Comentários

Arquivado em Comportamento, Fatos da vida, Relacionamentos

Mais um final feliz! [Beijo na Faria Lima]

Quando as pessoas vinham me dizer que minha vida parecia um seriado, eu pensava: “Até parece”….Mas gente, QUANDO eu ia imaginar que ia criar um blog, viver paixões platônicas e totalmente impossíveis mas que no final, SE TORNARIAM REALIDADE?

Juro que nunca imaginei, como já havia dito aqui, que a história do Flerte no Elevador daria certo e deu. A história do cara do Beijo na Faria Lima então, já tinha desistido faz tempo, mas parece que deus quer que minha vida dê certo. Como um amigo meu falou, talvez eu viva uma vida meio Show de Truman e não saiba.

Hoje, me deu uma descarga de energia e eu, em pleno resfriado e na terça feira, resolvi ir numa balada mega open bar gigante no Jockey Club, a convite de um amigo twitteiro que é dj. Era aniversário de uma ‘balada de playboy’ e seria uma big festa. Cheguei lá, peguei umas bebidinhas, e fiquei na minha (afinal, só tinham loiras peitudads e gostosas, eu era a única mais estranha da balada) e fiquei aproveitando do meu jeito. Eis que eu vejo, de longe, um cara que me lembrava o cara do beijo na Faria Lima. Pensei: “Nossa, essa balada é bem a cara dele, imagina eu encontro ele aqui?” hahaha Mas claro, nem era ele. Seria algo meio impossível de acontecer.

Ah, só pra atualizar vocês da história, depois do dia em que nos conhecemos, fiz de tudo pra achar ele ‘na vida’, já que paramos de nos cruzar na Faria Lima pra ele me dar o tão esperado beijo. Fiz que fiz, que consegui achar o orkut dele, descobrir o nome certinho pra poder deixar um bilhete pra ele no prédio em que ele trabalhava. Alguns amigos meus, trabalhavam junto com ele no mesmo andar (mas não o conheciam) e me ajudaram e descobrir o ramal preu poder deixar o bilhete na portaria pra ele. No bilhete, escrevi algo assim: “Já que não nos encontramos mais na Faria Lima pra você me dar um beijo, te mando este beijo de papel. Serve?” (atrás coloquei meu msn e coloquei num envelope junto com um origami de boca, como se fosse ‘o beijo de papel’)

Ele, claro, me adicionou no msn. Nos falamos algumas vezes, ele super me deu bola, mas era algo meio fraco, sabe? Sempre eu que ia falar com ele, cheguei até a chamar pra tomarmos uma cerveja depois do expediente mas acabou não rolando e eu, como não curto muito ficar correndo atrás de homem, desisti. Ele tava sempre ali no meu msn mas eu não ia falar com ele nem ele vinha falar comigo. Fim.

Daí hoje, depois de muito tempo, numa festa totalmente fora do meu estilo, eis que eu vejo um cara alto, magro, de camisa listradinha, meio socialzinho e lindo, bem do jeito que eu me lembrava. Era ele! Era o cara do beijo na Faria Lima e eu não podia acreditar! Até peguei o celular do meu amigo, pra contar em tempo real, no Twitter, o que estava acontecendo: Veja a twittada aqui.

Fiquei mole, meu corpo tremeu…Eu nem podia acreditar que ele estava lá! Tentei dar umas olhadinhas, ver se ele estava acompanhado e aparentemente, não estava. Beleza, fiquei na minha, tava no começo da festa ainda e eu fui pegar outra bebida. Sempre atenta pra ver onde ele estava (pq a balada era enorme) até que chegou uma hora que vi ele meio sozinho e CRAW! Brinks, hahaha não ataquei. Só fui andando dançandinho em direção a ele como quem diz: “Vocêêêêê!”

Sim, falei exatamente isso. Como assim ele estava naquela festa, na mesma festa que eu? hahaha Ele me recebeu super bem, deu um abraço gostoso e falamos como cada um tinha chegado na festa. Eu contei que nem acreditava que ele estava ali, e ele também. Enquanto nos falávamos, ele mantinha a mão na minha cintura meio que me aproximando bem dele. Imagina que delícia? Tem coisa mais gostosa do que esse pré beijo? Tava na cara que ia rolar, já logo no começo. E depois de um tempinho, no meio da conversa, ele falou algo do tipo: “Acho que ta na hora de fazer uma coisa que eu deveria ter feito ha muuuuito tempo.”

…daí veio o tão esperado beijo! Não foi na Faria Lima. Ele não estava de terno. Mas quando paramos de beijar, depois de muito tempo, ele disse: “Nossa, se eu soubesse que era tão bom assim teria feito isso muito antes!” (tipo esses xavequinhos manjados mas que na hora são a melhor coisa de se ouvir sabe?) E gente, preciso falar…Que beijo gostoso! Que pegada! Não foi nada super sexual e/ou pegação total. Foi um beijo lento, aproveitado. As mãos passavam no corpo um do outro de um jeito bom, e totalmente com respeito. Ele não era aquele tipo de cara que chega querendo arrancar pedaços da minha bunda, logo de cara.

Enfim…Ficamos um tempinho mais na festa, ele me disse que os amigos dele tinham ‘ido pra guerra’ e ele teve preguiça, por isso estava sozinho quando eu o encontrei. (Ir pra guerra = pegar mulher, e ele tava com preguiça! Tem coisa mais fofa que isso?)

Daí, depois de um tempinho ele disse que tava afim de ir embora e perguntou se eu não queria ir com ele. Eu lá, toda sozinha e abandonada na festa, com o dinheiro do taxi no bolso pensei: “Hummm, caroninha até em casa? Mas certeza que ele vai querer transar. E agora? Claro que eu não vou. Mas seria uma boa ir embora agora já que ta meio cedo e amanhã tenho que acordar super de manhãzinha pro trabalho né?”

Pensei..Pensei…Disse que não, me fiz de indecisa (mimimi) e então disse: “Ta, eu vou embora com vc mas nada de sexo, ok?” Ele riu e falou: “Hahaha você é demais! É bem mais fácil quando as mulheres são assim, falam o o que querem e não ficam de mimimi.” Eu disse que também morria de preguiça de mimimi e nós fomos embora.

Ele me trouxe até em casa, todo bonitinho e pegou meu telefone. Disse que foi um máximo o bilhetinho que eu tinha dado, e que ele gostou muito mais de ter sido dessa forma que foi. Disse que queria mesmo que fosse natural, não que a gente marcasse de saír pra se pegar (e isso foi algo que eu comentei um dia com ele no msn, mas não via outro jeito pq achei que nunca fossemos nos encontrar de novo. E cá entre nós, as chances eram mínimas né?)

Agora estou indo dormir feliz e só tenho uma coisa a dizer: obrigada deus!!! hahahaha

Não sei se ele vai me ligar, se isso vai pra frente ou vai acabar por aqui mas…Se acabar por aqui, já to satisfeita. Foi mais um final feliz preu contar pra vocês aqui no blog, e mais uma vitória na minha vida de amores platônicos que viram reais.

ps. ainda em tempo, já é de manhã. Acabo de chegar no trabalho e adivinha quem eu encontrei na Faria Lima? Sim, ele! Só pq nos beijamos ontem, o destino fez o favor de nos unir novamente. hahahaha mas que merda, tava mó mulamba e cansada, nem me arrumei direito pra vir pro trabalho pq dormi pouco. Ele tava com uma carinha linda. Demos um beijo-meio-abraço e falamos coisas do tipo “e aí, dormiu bem?” hahaha foi um tanto quanto constrangedor. Mas…Ta valendo!

28 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Relacionamentos, Sexo

Minha vida numa viagem de metrô

AVISO: Este post contém histórias inventadas baseadas em fatos reais. Imagine 😉

Zona Oeste de São Paulo. Metrô, linha verde. Mais especificamente na estação Vila Madalena. É nela que eu sempre começo uma viagem nova. Viagem que pode ir até a Consolação apenas, mas que não deixa de ser interessante pelo tamanho da distância. Ontem, andando naquele trem novo e bonito [que mais parece um hospital], eu comecei com meus devaneios.

Acho que cada viagem de metrô é como uma vida diferente. Assim que você entra no vagão, você começa a viver uma história. Conflitos, amores, cheiros, olhares…Tudo de mais legal está presente! Da pra criar várias tramas. E ontem, comecei a fazer isso. Resolvi escrever pra vocês.

Estava lá eu olhando praquele cara ruivinho e simpático. Eu sabia que o conhecia de algum lugar, ele era ator de propagandas. Estava um super frio e ele entupido de casacos. O que era muito estranho, pois suas pernas eram finas e seu tronco grosso, deixando ele totalmente desproporcional. Mesmo sendo meio tortinho, tive a maior vontade de conversar com ele. Ele me parecia legal e imaginei que poderíamos ser amigos. Então, elegi ele como o melhor amigo da minha história. A gente conversava por horas, ria, desenhava…Nos entendíamos muito bem. Seu nome era Bernardo.

O Ber só ficava meio chateado comigo, quando o Pedro estava por perto. Pedro era o cara que eu estava afim. Ele era alto, magro e tinha olhos claros que iluminavam seu rosto em meio a tantos fios de cabelo castanho. Usava sneakers e estava sempre com seus fones de ouvido. Nós trocávamos olhares e vez ou outra alguns sorrisos. Deixava Bernardo falando sozinho enquanto olhava pro Pedro e esperava ganhar uma atençãozinha a mais. Até que resolvemos conversar, e foi aquela coisa gostosa sabe? De dar risadas tímidas, pegar no braço, encostar na mão…Numa brecada brusca do metrô, acabamos dando nosso primeiro beijo. Bernardo ficou só ali no cantinho olhando, e como um bom amigo, acabou ficando super feliz por mim.

Eu acabei arranjando tempo para os 2. Pedro não tinha ciúmes de mim com o Bernardo, e entendia que éramos apenas amigos. Vivíamos otimamente bem. Sempre que sentíamos fome, a tia Bernadete, aquela velhinha sentada no banco cinza especial para idosos, nos dava um pão de queijo quentinho que tinha acabado de pegar na padaria pra levar para seu marido em casa. Ela era um amor de pessoa e estava sempre sorrindo.

Apesar de me dar super bem com Pedro, sentia um certo vazio em nosso relacionamento. Parecia-me sempre que algo estava prestes a acontecer e que eu o perderia para sempre. Num dado momento, entrou no vagão a Larissa, uma menina loira, peituda, gostosa e burra, do tipo que leva todos os olhares para a sua direção. Pedro, como um homem normal, também olhou. Me senti traída, mas continuava apaixonada. Larissa fez um charme, mas logo desceu na estação seguinte, me deixando tranquila em relação ao meu amor.

Teve uma hora que eles quase arranjaram briga por minha causa. Osaías, aquele gordo nojento, entrou no trem e me deu um belo empurrão. Daqueles que fazem a gente quase se estabacar no chão, sabe? Pedro olhou pra ele com um olhar sério e Bernardo chegou até a sacudir a cabeça num ato de total desaprovação. Osaías, aquele suíno, nem ligou e foi se sentar num banco longe de nós.

As coisas iam muito bem. Bem até demais. Estava mostrando o livro que lia para meu amigo Bernardo, até que Pedro me olhou profundamente nos olhos e sem dizer nada, saiu pela porta do trem assim que ela abriu. Achei que era brincadeira, mas olhando ele lá fora e vendo a porta se fechar, vi que ele nunca mais voltaria. Ele deu uma última olhada pra mim pela janela do trem, e partiu. Infelizmente era mais um amor acabado em minha vida. Daqueles que cortam o coração, que nos deixam triste e com vontade de chorar. Nem a presença de Bernardo me deixava feliz naquela altura. Minha vida tinha acabado. A graça que eu via naquilo tudo, não existia mais.

Ainda bem que meu fim estava próximo. Estávamos chegando na estação final. Bernardo também ia descer nela, mas como tudo tinha perdio o sentido para mim, não nos falamos mais. Tia Bernadete já tinha ido embora em alguma estação sem eu nem ver e Osaías, o nojentão? Não quis nem olhar pros lados para ver onde ele estava.

As portas se abriram. A voz da moça do metrô anuncia: “Estação final, Vila Madalena. Favor desembarcar nesta estação”.  Todos nós já estávamos esgotados. Parecia que nossas vidas tinham mesmo acabado ali. Aquela viagem de metrô não fazia mais o menor sentido e tudo que queríamos era chegar em casa, sãos e salvos.

Foi o que fizemos. Descemos do vagão, subimos as escadas rolantes em silêncio, atravessamos a catraca e finalizamos nossa vida juntos, sem trocar olhares. A história tinha acabado ali, para no dia seguinte, dar lugar a outra que começaria. Novos amores breves de metrô. Novas amizades, afetos e até mesmo desgostos. Tudo muito breve mas não menos real. A vida é mesmo uma caixinha de surpresas. E andar de metrô é igual.

14 Comentários

Arquivado em Comportamento, Cotidiano, Eu, Fatos da vida, Relacionamentos