Arquivo da tag: balada

A felicidade é feita de pequenas esperas

Hoje estou em um daqueles dias em que ando na rua sorrindo e penso: “Cara… Como a minha vida é incrível!”. Eu acho que vivo por esses pequenos momentos e é isso que me faz querer levantar da cama todos os dias. Existem vários momentos e cada um tem uma intensidade diferente. Mas o motivo é sempre o mesmo: se sentir bem. E esperar por eles faz a gente esquecer das coisinhas ruins do nosso dia a dia. Quer alguns exemplos de pequenas esperas?

– a hora do almoço naquele dia chato no trabalho

– um encontro com alguém que você está afim

– uma viagem curta

– uma viagem longa

– o começo de um curso que você queria muito fazer

– a sua festa de aniversário

– o happy hour com os amigos depois de um dia stressante

– as férias

– a hora de ir dormir na cama quentinha quando está aquele frio

– o primeiro dia no seu novo emprego

– a subida de uma montanha russa

Viu só? Existem muuuitos momentos gostosos que a gente espera para se sentir bem. Às vezes as coisas estão uma merda mas você só consegue pensar que logo logo vai se distrair com algo bom e que nem vale a pena pensar no agora. Por isso digo que a felicidade é feita dessas pequenas esperas. Quando estou chateada, sei que vai passar. Sempre passa. Uma hora ou outra. E eu vivo por esse momento que tive agora pouco de andar na rua e ter vontade de sorrir para as pessoas que eu nem conheço.

Ando meio triste por estar sozinha, não ter alguém que eu goste e seja correspondida. Fico de saco cheio de sair, conhecer pessoas que sei que não vão agregar nada na minha vida… Mas vira e mexe, quando a gente menos espera, acontece uma coisa legal. Ontem foi a terceira vez seguida na semana que eu fui pruma balada. As duas primeiras foram uma merda, e ontem não seria diferente. Pelo menos na minha cabeça não ia ser. Estava eu ali encostada na parede, observando o comportamento das pessoas e pensando beeeem longe, em como seria quando eu fosse morar em Londres. Vi um cara fazendo movimentos suspeitos e pensei: “Xiii.. Lá vem o cara chegar em mim, que preguiça.”. Obviamente eu estava certa e como ele era meio bonitinho, resolvi fazer diferente. Comecei uns papos estranhos falando pra gente tirar uma foto juntos e nunca mais se ver na vida. E daí sei lá, começamos a conversar e a coisa foi ficando legal. No fim da balada acabamos ficando e foi super gostoso, mas eu não peguei o telefone dele. Nem o Twitter, Facebook, e-mail, cpf, tipo sanguíneo, sobrenome… Nada.

Na hora foi meio que por orgulho, só ia manter contato se ele quisesse. Assim que sai da balada me arrependi amargamente porque tinha sido super legal, mas daí já era tarde demais. Dei uns passos pra ir embora, e ele apareceu lá fora me procurando. Demos mais alguns beijos apaixonados, daqueles de despedida como se nunca mais fôssemos nos ver… E eu acabei não pegando o contato dele de novo. Sei lá porque, achei que não deveria já que ele também não pediu. Hoje eu acordei e, ao contrário do que eu pensava, não estava nem um pouco arrependida. A noite foi incrível e terminou ali. Eu tive um dia seguinte ótimo, sem ficar na nóia se o cara ia me ligar e querer me ver de novo. A melhor sensação do mundo é saber que a sua felicidade não depende da atitude de ninguém. Andei na rua, tomei um café. Dei informações para pessoas perdidas na Paulista e vi como o dia estava lindo.

Então… Eu vivo por esses pequenos bons momentos que me fazem querer sorrir que nem boba andando na rua. E não preciso de mais nada por enquanto. Sei lá, senti vontade de contar isso pra vocês porque acho que as pessoas precisam se contentar mais com elas mesmas e ver beleza onde normalmente não há. Qual é a sua pequena espera agora? 🙂

Anúncios

20 Comentários

Arquivado em Comportamento, Relacionamentos

Como dar um fora educadamente?

Quando saio a noite, adoro observar as pessoas. Faço muito isso, principalmente com casais que estão flertando. É engraçado ver que a linguagem corporal às vezes vai totalmente contra o que a pessoa está falando. Às vezes fico com vontade de estudar pessoas e começar a ganhar dinheiro com isso, sei lá como.

Clichês do flerte na balada

ODEIO meninas que ficam de mimimi na hora do xaveco. Você vê que ela ta lá toda se esfregando no cara, mas na hora que ele vai tentar beijar ela vira o rosto e dá uma risadinha. Eu não teria paciência para ser homem. A primeira que me fizesse de besta assim, já me daria vontade de virar as costas e ir atrás de outra. Aliás, como mulher, acho que sou muito diferente das garotas por aí. Pelo menos nessa coisa do começo. Andei pensando nos últimos caras que fiquei, e me dei conta que fui sempre eu que fiz as coisas acontecerem. Acho até que prefiro assim. Se estou na balada e vejo alguém que me interessa, dou um jeito de falar com a pessoa nem que eu tenha que me aproximar com o papo mais nada a ver do mundo. (E não me venham com aquela historinha chata de não beijar pessoas na balada. Se tô solteira e me interessei, não vejo motivos para não fazer.)

Mas esses dias me aconteceu uma coisa engraçada e eu comecei a pensar que talvez alguns homens gostem desse tipo de flerte. Essa coisa da insistência, de ganhar a garota… Acho que eu é que sou muito prática e sincera: se eu quero, quero, se não quero, não quero. E se não quero, não vou ficar fingindo que quero só pro cara ficar no meu pé. Porra, eu tenho mais o que fazer, né? E ele também. Acho que é um puta desperdício de tempo.

Aconteceu comigo

Um dia estava numa balada, super cansada e meio com preguiça de dançar. Daí apareceu um “amigo” que eu já tinha ficado numa noite e tinha sido bem legal. Mas na noite em que ficamos, eu tava super afim e era super propício. Nessa noite não. Daí começamos a conversar e eu percebi pela linguagem corporal que ele ia tentar chegar em mim. Então comecei a responder com o corpo que não ia querer. Obviamente, o cara não percebeu. Ou percebeu, mas ignorou e continuou tentando. Sabe… Eu não gosto de dar fora nas pessoas, de ter que dizer não na cara. Mas tem homem que PEDE por isso. No meio das nossas conversas, até falei numa boa que tava cansada e não queria ficar com ninguém, mas ele parecia ignorar totalmente o que eu falava. Quando menos esperava, tava ele lá tentando dar umas fungadas no meu pescoço. Achei que um simples NÃO faria ele parar, mas… Que cara insistente! Falei pra ele que a noite que a gente ficou foi super legal e que poderia até rolar outra vez mas não naquela noite. Daí, estávamos sentados no sofá e eu disse: “Vamos levantar e ir com o pessoal pra pista, não quero ficar aqui sozinha com você.” E ele respondeu algo do tipo: “Mas se você não quisesse, não estaria aqui comigo até agora.” Tipo, OI??? Eu tava lá conversando numa boa com o cara tentando não ser escrota e sair deixando ele falando sozinho, e ele vem me dizer uma coisa dessas? “Olha, só estou aqui com você, porque acho escroto meninas que saem e deixam os caras falando sozinhos. Só não saí porque não seria legal da minha parte, mas ok, to indo lá então.” e fui embora. Se a pessoa praticamente pede pra gente tratar ela mal, a gente trata, não é mesmo?

Moral da história

Tem cara que gosta de tomar fora. Não é possível. Tentei ser legal falando a verdade para continuar numa boa mas ele não quis nem saber. Se pra dizer “não” prum cara, eu preciso ser babaca… Não sei mais onde estão as pessoas legais nesse mundo.

Alguém? :/

36 Comentários

Arquivado em Comportamento, Relacionamentos

Sexo e Relacionamentos por Rebiscoito

Essa semana foi publicada uma entrevista que dei ao Casal Sem Vergonha. Eles tem um canal bem bacana no YouTube, onde falam, basicamente, sobre sexo e relacionamentos. O legal é que os dois tem uma visão bem diferente e aberta sobre o assunto, e eu adoro ver as pessoas falando sobre relacionamentos e entender como cada um encara diferentes situações. Em determinados pontos, ao ouvir opiniões diferentes, sou bem aberta a rever meus conceitos e talvez mudar de opinião. Vocês também são assim?

Bom, como a entrevista ficou bem legal, achei que valeria fazer um post. A gente gravou bastante coisa, eu abri minha vida falando tudo o que pensava sobre sexo, namoro, flertes, traição e outras coisitas mais. Na edição final, foram cortadas algumas partes mais explícitas  (UI!), levando em consideração que até meu pai lê meu blog – pois é gente, fiquei sabendo disso esses dias! – e acho que ele não precisa saber de certas coisas. Beijos pai! ♥

Depois de verem o vídeo, quero muito ler os comentários de vocês para saber o que acharam. Será que nossas opiniões são parecidas? Será que vocês discordam totalmente de algo que eu falei? Será que eu consegui fazer alguém rever seus conceitos e, talvez, mudar de opinião? Espero que vocês se abram nos comentários, assim como fiz no vídeo. E também espero que gostem 🙂

32 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Relacionamentos, Sexo, Vídeo

Mojita-se

Antes de começar o post, quero deixar aqui registrada minha decepção comigo mesma por não ter sido capaz de editar um vídeo que gravei pra colocar aqui. Nem o Movie Maker eu tive paciência de aprender a usar, então vou ilustrar o post com um vídeo já pronto e editado e lindo que fizeram no evento da Bacardi que participei. hahaha 😦

Esse post é o segundo com o tema “RECEITA” aqui no meu blog. Mas dessa vez não é coisa de menininha, doninha de casa boa pra casar não! Nããão, nananinanão! Muito pelo contrário! É de garota baladeira bêbada animada que se joga na balada e ahaza! Hahaha brinks..Mas enfim, vamos parar de enrolar e chegar logo onde interessa!

Introdução: eu sempre fui fã de cerveja. Sempre fui a garota da cerveja, vou pro bar só tomo cerveja, vou pra balada só tomo cerveja e bababi bababá. Bebidas destiladas não são o meu negócio. Não curto aquele gosto de bebida alcoólica que fica na boca, sabe? Só escolhia tomar destilados quando queria ficar triloca [ou seja, quase nunca]. Até que um dia, me chamaram pra fazer figuração num comercial pra internet da Bacardi Mojito. Achei mega divertido fazer, tinha bebidinhas de graça, muita gente bonita e azaração! Foi lá que eu experimentei, pela primeira vez, um mojito de qualidade. Aquele que você toma e sente um gosto bom, não uma ânsia de vômito [que é o meu caso as vezes]. Depois, rolou uma festinha no Sonique da Bacardi Mojito, e lá eu tive um mini curso de bartender. Não foi bem um mini curso, eu só aprendi a fazer mojito e, como ficou uma delícia e eu viciei totalmente nessa bebida, resolvi passar a receita pra vocês, pq coisa boa a gente tem que dividir casamiga né? hahaha 😀

Ingredientes para Mojitar-se:

50 ml de Bacardi Superior [eu coloco a gosto pq não gosto se ficar muito forte]

7 folhas de hortelã [bonitas, tamanho médio]

1 colher de sopa de açúcar [não muito cheia, mas também a gosto]

15 ml de suco de limão [eu expremo meio limão e ta ótimo]

Água com gás [pra completar o copo – e pelo amor, não usar bebidas de limão tipo Sprite, fica doce e horrível!]

Exprema o limão no copo, coloque a colher de sopa de açúcar e as folhas de hortelã. Marece a hortelã bem de leve, sem deixar ela se moer e despedaçar. Coloque bastante gelo no copo junto com o Bacardi Superior e mexa bastante, de preferência use uma coqueteleira. Depois, coloque no copo e decore com umas folhinhas de hortelã por cima [pq além de gostoso, tem que ficar lindo né?]

Aqui estou eu fazendo meu super mojito delicioso na festa da Bacardi:

E ah! Se você quiser ver o comercial que eu participei, é só entrar no site Mojita-se com Bacardi, que ficou bem bacana. Lá tem outras receitas de mojito também! Depois me contem se me acharam no meio da figuração na propaganda! hahaha

16 Comentários

Arquivado em Eu, Internet, Vídeo

Mais um final feliz! [Beijo na Faria Lima]

Quando as pessoas vinham me dizer que minha vida parecia um seriado, eu pensava: “Até parece”….Mas gente, QUANDO eu ia imaginar que ia criar um blog, viver paixões platônicas e totalmente impossíveis mas que no final, SE TORNARIAM REALIDADE?

Juro que nunca imaginei, como já havia dito aqui, que a história do Flerte no Elevador daria certo e deu. A história do cara do Beijo na Faria Lima então, já tinha desistido faz tempo, mas parece que deus quer que minha vida dê certo. Como um amigo meu falou, talvez eu viva uma vida meio Show de Truman e não saiba.

Hoje, me deu uma descarga de energia e eu, em pleno resfriado e na terça feira, resolvi ir numa balada mega open bar gigante no Jockey Club, a convite de um amigo twitteiro que é dj. Era aniversário de uma ‘balada de playboy’ e seria uma big festa. Cheguei lá, peguei umas bebidinhas, e fiquei na minha (afinal, só tinham loiras peitudads e gostosas, eu era a única mais estranha da balada) e fiquei aproveitando do meu jeito. Eis que eu vejo, de longe, um cara que me lembrava o cara do beijo na Faria Lima. Pensei: “Nossa, essa balada é bem a cara dele, imagina eu encontro ele aqui?” hahaha Mas claro, nem era ele. Seria algo meio impossível de acontecer.

Ah, só pra atualizar vocês da história, depois do dia em que nos conhecemos, fiz de tudo pra achar ele ‘na vida’, já que paramos de nos cruzar na Faria Lima pra ele me dar o tão esperado beijo. Fiz que fiz, que consegui achar o orkut dele, descobrir o nome certinho pra poder deixar um bilhete pra ele no prédio em que ele trabalhava. Alguns amigos meus, trabalhavam junto com ele no mesmo andar (mas não o conheciam) e me ajudaram e descobrir o ramal preu poder deixar o bilhete na portaria pra ele. No bilhete, escrevi algo assim: “Já que não nos encontramos mais na Faria Lima pra você me dar um beijo, te mando este beijo de papel. Serve?” (atrás coloquei meu msn e coloquei num envelope junto com um origami de boca, como se fosse ‘o beijo de papel’)

Ele, claro, me adicionou no msn. Nos falamos algumas vezes, ele super me deu bola, mas era algo meio fraco, sabe? Sempre eu que ia falar com ele, cheguei até a chamar pra tomarmos uma cerveja depois do expediente mas acabou não rolando e eu, como não curto muito ficar correndo atrás de homem, desisti. Ele tava sempre ali no meu msn mas eu não ia falar com ele nem ele vinha falar comigo. Fim.

Daí hoje, depois de muito tempo, numa festa totalmente fora do meu estilo, eis que eu vejo um cara alto, magro, de camisa listradinha, meio socialzinho e lindo, bem do jeito que eu me lembrava. Era ele! Era o cara do beijo na Faria Lima e eu não podia acreditar! Até peguei o celular do meu amigo, pra contar em tempo real, no Twitter, o que estava acontecendo: Veja a twittada aqui.

Fiquei mole, meu corpo tremeu…Eu nem podia acreditar que ele estava lá! Tentei dar umas olhadinhas, ver se ele estava acompanhado e aparentemente, não estava. Beleza, fiquei na minha, tava no começo da festa ainda e eu fui pegar outra bebida. Sempre atenta pra ver onde ele estava (pq a balada era enorme) até que chegou uma hora que vi ele meio sozinho e CRAW! Brinks, hahaha não ataquei. Só fui andando dançandinho em direção a ele como quem diz: “Vocêêêêê!”

Sim, falei exatamente isso. Como assim ele estava naquela festa, na mesma festa que eu? hahaha Ele me recebeu super bem, deu um abraço gostoso e falamos como cada um tinha chegado na festa. Eu contei que nem acreditava que ele estava ali, e ele também. Enquanto nos falávamos, ele mantinha a mão na minha cintura meio que me aproximando bem dele. Imagina que delícia? Tem coisa mais gostosa do que esse pré beijo? Tava na cara que ia rolar, já logo no começo. E depois de um tempinho, no meio da conversa, ele falou algo do tipo: “Acho que ta na hora de fazer uma coisa que eu deveria ter feito ha muuuuito tempo.”

…daí veio o tão esperado beijo! Não foi na Faria Lima. Ele não estava de terno. Mas quando paramos de beijar, depois de muito tempo, ele disse: “Nossa, se eu soubesse que era tão bom assim teria feito isso muito antes!” (tipo esses xavequinhos manjados mas que na hora são a melhor coisa de se ouvir sabe?) E gente, preciso falar…Que beijo gostoso! Que pegada! Não foi nada super sexual e/ou pegação total. Foi um beijo lento, aproveitado. As mãos passavam no corpo um do outro de um jeito bom, e totalmente com respeito. Ele não era aquele tipo de cara que chega querendo arrancar pedaços da minha bunda, logo de cara.

Enfim…Ficamos um tempinho mais na festa, ele me disse que os amigos dele tinham ‘ido pra guerra’ e ele teve preguiça, por isso estava sozinho quando eu o encontrei. (Ir pra guerra = pegar mulher, e ele tava com preguiça! Tem coisa mais fofa que isso?)

Daí, depois de um tempinho ele disse que tava afim de ir embora e perguntou se eu não queria ir com ele. Eu lá, toda sozinha e abandonada na festa, com o dinheiro do taxi no bolso pensei: “Hummm, caroninha até em casa? Mas certeza que ele vai querer transar. E agora? Claro que eu não vou. Mas seria uma boa ir embora agora já que ta meio cedo e amanhã tenho que acordar super de manhãzinha pro trabalho né?”

Pensei..Pensei…Disse que não, me fiz de indecisa (mimimi) e então disse: “Ta, eu vou embora com vc mas nada de sexo, ok?” Ele riu e falou: “Hahaha você é demais! É bem mais fácil quando as mulheres são assim, falam o o que querem e não ficam de mimimi.” Eu disse que também morria de preguiça de mimimi e nós fomos embora.

Ele me trouxe até em casa, todo bonitinho e pegou meu telefone. Disse que foi um máximo o bilhetinho que eu tinha dado, e que ele gostou muito mais de ter sido dessa forma que foi. Disse que queria mesmo que fosse natural, não que a gente marcasse de saír pra se pegar (e isso foi algo que eu comentei um dia com ele no msn, mas não via outro jeito pq achei que nunca fossemos nos encontrar de novo. E cá entre nós, as chances eram mínimas né?)

Agora estou indo dormir feliz e só tenho uma coisa a dizer: obrigada deus!!! hahahaha

Não sei se ele vai me ligar, se isso vai pra frente ou vai acabar por aqui mas…Se acabar por aqui, já to satisfeita. Foi mais um final feliz preu contar pra vocês aqui no blog, e mais uma vitória na minha vida de amores platônicos que viram reais.

ps. ainda em tempo, já é de manhã. Acabo de chegar no trabalho e adivinha quem eu encontrei na Faria Lima? Sim, ele! Só pq nos beijamos ontem, o destino fez o favor de nos unir novamente. hahahaha mas que merda, tava mó mulamba e cansada, nem me arrumei direito pra vir pro trabalho pq dormi pouco. Ele tava com uma carinha linda. Demos um beijo-meio-abraço e falamos coisas do tipo “e aí, dormiu bem?” hahaha foi um tanto quanto constrangedor. Mas…Ta valendo!

28 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Relacionamentos, Sexo