Arquivo da categoria: Fatos da vida

Desvendado o mistério da foto 3×4

Você que acompanha todas as histórias e coincidências da minha vida está prestes e ler sobre a maior delas. Uma que talvez feche um ciclo do meu blog e comece outro, já que ficou parecendo o fim de um começo. Hahaha, isso ficou confuso mas vou explicar.

Quem me segue no Tuinter já sabe que eu encontrei o cara da foto 3×4, que ele se chama Victor e provavelmente deve estar louco pra saber como foi quando nos conhecemos. Isso tudo é muito legal e eu já conto como foi, mas a parte mais louca da história não é essa.

O Vito – como é carinhosamente chamado pelos amigos – achou meu blog através de uma amiga e deixou um comentário. Paralelamente, recebi outro comentário de um cara falando sobre um bilhete que eu mandei para ele há pouco mais de 2 anos atrás. Ele relatou nossa história e disse que tinha chegado até meu blog pelo post da foto 3×4, já que o Vito é melhor amigo e sócio dele. Esse cara, chamado Jonas, é nada mais nada menos um dos motivos pelo qual o meu blog existe. Ele é o personagem principal do primeiro post do meu blog: O Começo de um e Outro e foi depois dessa história que resolvi fazer um blog. Achei que essas aventuras com desconhecidos poderiam ser interessantes pra minha vida, e desde então, venho aprontando altas confusões.

Ou seja: achei o cara da foto 3×4 que peguei um dia no chão e esse cara da foto é melhor amigo do Jonas, que viveu comigo a minha primeira experiência de contato com desconhecidos. Incrível não? Qual é a chance disso acontecer numa cidade tão grande quanto São Paulo? Eu juro que custei a acreditar. Mas não é mentira!

Sexta (dia 29/10) foi a comemoração do aniversário do Vito e ele me convidou para ir, então acabei conhecendo os 2 de uma só vez.

Para a minha surpresa, o Vito é pequeno e um pouquinho diferente do que eu imaginava. Achei que ele fosse mais tímido, mas é comunicativo e fala super bem. Me deu vontade de guardar ele num potinho, de tão fofo que é. Como era aniversário dele, ele estava super animado e era o cara que mais dançava na pista de dança. A balada foi meio de tango, umas músicas que pareciam músicas de filme e todo mundo dançava de um jeito diferente, mas o Vito era o que mais arrasava! Já o Jonas, conversei menos no dia mas mesmo assim foi engraçado reencontrá-lo já que não fazia ideia de como era o rosto dele e acabei lembrando do dia do metrô.

Bom, mas quem é o cara da foto 3×4 afinal?

A parte da área de humanas a gente acertou, mas ele não é publicitário. Ele faz ilustrações lindinhas e tem uma produtora, onde mexe com toda essa coisa de animar os desenhos, fazer curtas e coisas bacanas. Aliás, ele e o Jonas são sócios.

(Vito dançando  na festa, por ele mesmo)

O tênis que ele usa? Não era Mad Rats. Mas era um tênis diferentinho, tipo um All*Star de outra marca. Eu seria amiga dele apenas olhando para aquele tênis.

Ele tem a idade que eu imaginava, 20 e poucos anos. Mais precisamente 24, nascemos no mesmo ano!

Ainda precisamos nos conhecer mais para fazer uma longa análise sobre ele mas não via a hora de contar isso tudo pra vocês. Sabe o que podemos fazer? Deixem o que vocês querem saber sobre ele nos comentários que eu vou perguntando pra ele e respondendo cada um. Achei tão bacana que todos entraram no clima de analisar o cara da foto, que acho que agora devo isso a vocês como agradecimento.

Ps. depois dessa coincidência MONSTRA, parei para pensar de onde vem tudo isso. Não acho que Deus queira que minha vida seja um seriado. Só acho que dou mais chances para esse tipo de coisa acontecer. Espontaneidade, cara de pau e criatividade. Que tal exercitar mais essas características? 😉

O Começo de um e Outro

Anúncios

58 Comentários

Arquivado em achados e perdidos, Desenho, Fatos da vida, Relacionamentos

Cuidado com o Ego.

Todo mundo tem, ou pelo menos já teve, um amigo  egocêntrico. Às vezes não é nem na maldade, seu amigo pode ser egocêntrico por criação, sem nem perceber que está sendo. Normalmente pessoas bonitas demais agem dessa maneira. Estão acostumadas, desde pequenas, a serem o centro das atenções e a receberem mil e um elogios. A culpa não é delas, afinal, esse é o mundo em que elas vivem desde que nasceram. Por isso escrevo esse texto como um alerta pra você parar e refletir se é assim ou não.

Eu, como boa leonina, adoro ser o centro das atenções. Mas me policio muito para não apagar o brilho do outro. Todo mundo merece brilhar, e por mais tímida e reservada que a pessoa seja, nunca é ruim receber um elogio.

Quando falo em apagar o brilho do outro, não é exatamente acabar com o momento de glória dele. Às vezes ele nem tem um momento de glória. Só quero pedir que, pelo amor de deus, deixe a coitada da pessoa falar sobre ela mesma uma vez na vida! Uma das características mais marcantes dos egocêntricos é não saber ouvir e/ou falar sobre outras coisas que não envolvam eles mesmos.

Para tudo existe um momento certo. Tem hora que precisamos desabafar, mas tem hora que precisamos ouvir o desabafo de alguém e por mais que seja um saco, é melhor fazer o que gostaríamos que fizessem com a gente. Escute a pessoa. Dê conselhos. Ofereça um ombro amigo, às vezes isso nem vai te tomar muito tempo. Você pode até dar conselhos se baseando em experiências pessoais mas CUIDADO PARA NÃO PERDER O FOCO.

Um exemplo clássico é aquela pessoa, que vê que você está triste e resolve te perguntar: o que houve? Você, todo feliz que conseguiu um ombro amigo, começa a abrir o coração e contar tudo para ela, esperando ouvir palavras de sabedoria que te façam sentir melhor. Mas quando você percebe, o assunto está totalmente voltado a essa pessoa e, se bobear, quem está aconselhando ela é você.

Duvido que isso não tenha acontecido com vocês pelo menos uma vez na vida. E é muito irritante. Falo isso, pois egocentrismo em excesso me cansa. Pode ser a pessoa mais interessante da face da terra mas se só falar dela mesma, cansa.

Se você disser que está com dor de cabeça, o egocêntrico dirá que tem um tumor no cérebro. Se contar uma história engraçada do seu cachorro, ele vai dar um jeito de mostrar que o cachorro dele é bem pior. Seu pai morreu e você vai contar pro egocêntrico? Relaxa… Ele vai falar que o pai dele também morreu ou no mínimo vai começar a falar sobre o quanto ele ficaria mal se o pai dele morresse. E sabe aquele tombo horrendo que você tomou na balada? O egocêntrico tomou um bem pior no meio da rua.

Portanto, egocêntricos, aprendam a ouvir mais e falar menos. Comecem a prestar mais atenção nos outros, e na necessidade deles em receber um pinguinho de atenção quando se sentem carentes disso.

A vida para ambos será bem melhor e o seu brilho só tende a aumentar, #ficadica. 😉

22 Comentários

Arquivado em Comportamento, Fatos da vida, Relacionamentos

Amores Breves de Metrô Podem Continuar

Todo mundo já teve um amor breve de metrô. Daqueles que a gente encontra no vagão, se apaixona brevemente, e logo se separa para nunca mais se ver. Eu mesma tenho vários, cada viagem de metrô é um amor diferente. Inclusive já escrevi um texto aqui no blog sobre isso, contando a história de uma viagem de metrô como se ela fosse uma vida inteira.

Há mais ou menos 2 dias atrás, estava de metrô voltando de um evento de Social Media e percebi que tinha um carinha me olhando. Ele era estilozinho, usava um casaco de couro, tinha os cabelos bagunçados e a barba por fazer. Uma graça. Mas eu estava um caco… Super cansada, acompanhada de várias pessoas que eu tinha conhecido no evento então tentei disfarçar. Não olhei muito pra ele mas o garoto era insistente. Olhava sem parar. E eu, só olhava quando ele não estava olhando.

Uma hora nossos olhares se cruzaram através do vidro do metrô. Ele olhava pra mim pelo reflexo e eu comecei a olhar também. Demos um sorriso, e assim ficou claro que os dois se gostaram.

Descemos na mesma estação. Ele pegou as escadas rolantes e eu fui pro outro lado. Era ali o momento em que a gente se separava para nunca mais se ver. Nos últimos olhares resolvi dar um sorriso e fazer um gesto com as mãos, como quem diz: “Então… é isso. Adeus.”

Confesso que tive uma esperancinha que ele me encontrasse do outro lado ou descesse a escada rolante de novo pra ir atrás de mim, mas ok, os caras nunca fazem isso e sonhar é bom.

Cheguei em casa, compartilhei com vocês no Twitter como sempre faço e fui dormir, exausta.

Dois dias depois, fui cortar o cabelo com meu amigo gay. Ele marcou horário pra todo mundo e fomos todos cortar o cabelo: eu, ele e o namorado dele. Depois de sair do salão, os 2 resolveram passar numa loja incrível ali do lado para comprar roupas. Assim que entramos na loja, adivinhem com quem eu dou de cara? Claro, o cara do metrô com quem eu tinha flertado há 2 dias atrás. Ele era vendedor da loja.

Nós dois nos olhamos e demos um sorriso envergonhado. Eu desacreditei que ele estava ali e não sabia onde enfiar a cara. Daí me escondi atrás do meu amigo dizendo:

– Ai, que vergonha, a gente flertou um com o outro no metrô.

Ele riu… Meus amigos riram… Mas eu e ele continuamos envergonhadinhos. Depois de um tempo na loja, enquanto meus amigos experimentavam as roupas, ele perguntou meu nome e nos apresentamos. Durante a conversa, rolava aqueles silêncios seguidos de um sorriso e um “…que engraçado a gente se encontrar né?”

Meus amigos super aprovaram ele. Disseram até que a gente formava um lindo casal. Ele me deu um papelzinho preu anotar meu telefone e agora vamos marcar de se ver algum dia, o que não vai ser difícil já que ele mora do lado da minha casa.

Agora eu me pergunto: Por que Deus? Por que eu fui a escolhida pra ter uma vida assim, cheia de surpresas e coincidências? Quem lê meu blog, sabe que essas coisas SEMPRE acontecem comigo. As pessoas que são pra ser, sempre voltam de alguma forma. Eu tenho mesmo muita sorte!

E pra você que gosta de ter amores breves no metrô: acredite! Eles podem dar certo de um jeito ou de outro. Seja com você dando um bilhete pra pessoa ou simplesmente deixando o destino unir vocês. Se não acontecer, é que não era pra ser.

38 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Fatos da vida, Relacionamentos

Pessoa Favorita

Dessa vez não vim contar uma de minhas histórias mirabolantes ou chorar as pitangas pra vocês. Vim lançar uma pergunta, fazer um questionamento, que me fez pensar bastante e sinceramente não sei responder:

Você é a pessoa favorita de alguém?

Perguntinha cretina né? Encontrei num curta (bem curtinho mesmo) da Miranda July e resolvi compartilhar com vocês:

Confesso que fiquei encucada. Sabe quando você pensa, pensa, pensa, mas não tem certeza da resposta? Fica torcendo pra que seja verdade e chega até a acreditar que é, pra não acabar triste.

Todo mundo deveria ser a pessoa favorita de alguém. Se sentir amado, querido e necessário. No curta, o mocinho dos fones de ouvido diz com toda certeza e normalidade que não, ele não é o favorito de alguém. E isso parece não incomodar ele, mas incomoda o cara que perguntou. Ele sente dó. Principalmente quando ele fala sobre a namorada. Como assim você tem uma namorada e não é a pessoa favorita dela? Pegue aí umas laranjas de consolação.

…não sei se sou a pessoa favorita de alguém. E pra ser bem sincera, não sei se tenho uma pessoa favorita no momento. Ter até tenho, mas talvez não seja tão favorita assim. Ainda estou a espera de uma pessoa favorita na minha vida. E quando ela chegar, espero ser sua favorita também. ♥

30 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Fatos da vida, Relacionamentos, Vídeo

Achados e Perdidos

Mais um achado! E dessa vez, não fui eu que achei: uma leitora do blog viu o primeiro post da sessão achados e perdidos e resolveu contribuír com um achado dela!

A história do achado:

A @mahwdiamonds estava socializando na escada da faculdade, quando viu um papelzinho no chão. Pegou, leu com as amigas e todo mundo ficou super curioso com o que dizia o bilhete. Depois de inventar mil teorias, ela pediu que ninguém o amassasse nem jogasse fora porque ela tinha que mostrar pra uma pessoa  – fofa né?

Teorias:

– Com certeza o bilhete foi escrito por uma menina. Usou 2 cores de caneta, sublinhou palavras e tem a letra bonita. Caprichosa, apesar de ser apenas um pedaço de papel rasgado e conter errinhos de português.

– Seria um casal lésbico? Ou apenas amigas carinhosas? Na minha opinião, a história é bem menos babado do que parece. Eu acho que elas são amigas e a Anônima (que escreveu o bilhete), vai passar o final de semana com outra turma de amigas e está fazendo ciuminhos na Rafaela – vulgo Guidonzinha mais linda da sala – mas tudo de brincadeira. Amigas costumam se tratar carinhosamente mesmo, não acho que sejam um casal. Mesmo porque, se fossem, ela não falaria que traiu a namorada num bilhetinho qualquer né?

– Há quem diga que no final do bilhete está escrito “Ele te trai!”. Apesar de discordar, temos que levar em conta todas as hipóteses. Se ela conta para a amiga que o cara trai ela num bilhetinho assim, sem mais nem menos, eu suponho que ela não tenha coração né? Nenhuma amiga contaria uma coisa dessas por bilhete.

E aí, vocês tem alguma versão diferente?

Se você achar um bilhete, não deixe ele se perder no mundo. Guarde, escaneie quando chegar em casa e depois mande para o meu e-mail: re.chelliarcoverde@gmail.com, contando onde você achou e, se tiver criatividade, fale o que pensa sobre o bilhete. A Rebiscoito agradece!

12 Comentários

Arquivado em achados e perdidos, Fatos da vida

O Homem Perfeito

Hoje tive um encontro. O domingo estava lindo, ensolarado e eu precisava muito comprar roupas pois tinha emagrecido e minhas calças estavam largas. Liguei pra ele. Fiz o tão temido convite: “Preciso comprar uma calça, vamos comigo na Zara?” – ele topou, fácil assim. Marcamos de nos encontrar no metrô e minha mãe nos deu carona. Rimos no carro fazendo piadas sobre situações cotidianas. Chegamos no shopping, minha mãe nos deu tchau, aprovando minha companhia.

O farol de pedestres está verde e ele diz: “Quer correr?” E eu respondo: “Sim!” – saímos correndo e conseguimos aproveitar todos os faróis abertos até chegarmos na porta do shopping, dando risada. Andamos no shopping, olhando as lojas, vendo as pessoas…Até que chegamos na Zara. Ele vai comigo, espera calmamente enquanto eu olho todas as calças da loja até conseguir me decidir qual delas eu vou experimentar. Entre uma arara e outra, fazemos piada com as roupas engraçadas. Ele fala preu pegar uma saia cheguei e fazer uma pose, para tirar uma foto.

Enquanto escolho as últimas calças, ele se oferece para segurar as que eu já escolhi. Chegando no provador, ele pergunta: “Você quer que eu veja e dê minha opinião ou…Posso ir ver a sessão masculina?” – muito bonitinho ele se importar com isso! Compro a calça e saímos da loja. Hum, que vontade de comer besteira! Corremos para o Mc Donald’s. Na hora de pagar, ele oferece seu VR e paga a conta. Comemos, damos risada, falamos sobre coisas da vida…

Daí resolvemos sair do shopping e andar pela Paulista. Chovia um pouco mas meu guarda-chuva dava conta do recado. Passamos no casarão onde tem cachorros e gatos para serem adotados, brincamos um pouquinho com eles…E decidimos ir ao cinema. Andamos até o Conjunto Nacional e vemos os filmes em cartaz no Cine Bombril. Hum, nada interessante. Atravessamos a rua para ver o cinema do Center 3 mas ai…Ta tendo feirinha e eu resolvo andar pra ver as roupas. Ele não reclama em momento algum e o passeio continua extremamente agradável. Depois de comprar uma blusa e passar em todos os cinemas da região, sem sucesso, vamos para o último: HSBC Belas Artes. Finalmente achamos um filme que os 2 queriam ver: “Amor sem Escalas”. Apesar do nomezinho de comédia romântica barata, ambos estavam afim de ir ao cinema, sem tanto compromisso com o filme. Eu compro a pipoca e entramos na sala.

Depois de assistir o filme, saímos do cinema já de noite e ele me leva até o metrô. No caminho, comentamos sobre o filme, conversamos sobre aleatoriedades e nos despedimos em frente a escada. Damos um beijo, um abraço e eu começo a descer as escadas. Quando estou no meio do caminho, ouço ele me chamando lá de cima:

“- Rê!”

(eu olho pra cima)

“- Adorei nosso dia hoje :)”

…eu dou um sorriso e digo:

“- Eu também adorei nosso dia hoje! Mas falando isso parecemos até um casal apaixonado, daqueles que ainda não podem dizer ‘eu te amo’ mas dizem coisas singelas para mostrarem o quanto estão felizes.”

Ele da risada, concorda e cada um segue seu rumo.

Não entendeu o final? Eu explico: O Homem Perfeito é, na verdade, meu melhor amigo gay.

55 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Fatos da vida, Relacionamentos

Amor Virtual

Imagino que a empolgação que vocês tem ao lerem sobre um novo affair meu, é a mesma que eu tenho quando tudo acontece. (Ou talvez um pouco menos né?) Mas é que eu nem acredito que ele realmente acontece, sempre acho incrível e é tudo novo e empolgante pra mim!

Cada vez mais, eu concordo plenamente com as pessoas que dizem que minha vida parece um seriado. Ou esse mundo é um ovo. Ou eu nasci pra ser a garota das coincidências. Porque gente, to passada com o que aconteceu hoje! Mas ok, vamos começar do começo.

Ano passado aconteceu algo inusitado. Eu até já tinha um post pron-ti-nho salvo aqui no WordPress pra postar ele quando eu fizesse a coisa andar mas daí acabei desencanando e ele ia ficar pra nunca mais. Pois bem, pra vocês verem que mesmo quando eu desisto de fazer acontecer, se é pra acontecer, VAI acontecer.

Um belo dia no Twitter, ao começar uma chuva torrencial no meio de um dia de muito calor, eu twitto a seguinte frase:

Daí recebo um replie de um cara que não me seguia e eu também não seguia ele, dizendo assim:

Achei estranho e resolvi jogar ele no google pra ver se o conhecia, quando de repente me dou conta de que ele era praticamente o amor da minha vida! Então, me declarei:

Dei um jeito de conseguir o msn dele, já que não estava fazendo nada, e por sorte ele estava online. Depois de explicar essa minha paixão avassaladora, ele disse que queria me ver. Marcamos, quase ali naquela mesma hora, mas daí uma amiga minha ligou me convidando pra ir no show do The Killers e eu, que nem tinha certeza se ia mesmo dar certo, resolvi ir no show. O combinado era: se encontrar e antes de falar qualquer palavra, dar um beijo. O meu medo na real, era conhecer e conversar com ele, daí ver que ele não era nada do que eu imaginava e desencantar. Então eu queria fazer a coisa de um jeito bonito e deixar as consequências pra depois.

Fui pro show, o momento esfriou, ele entrava pouco no msn e quando entrava eu também  não queria conversar muito…Daí disse pra ele que ia mandar uma carta, por correio. Porque ele geralmente não me dava muita bola (ca entre nós, eu  também não daria bola prum louco apaixonado que aparece no meu msn, e ele nunca nem tinha visto fotos minhas nem nada e eu achei que mandando uma carta a coisa ficaria mais interessante). Cheguei a escrever a carta, mas achei que com as festas de final de ano o impacto de receber uma carta perderia a força, então resolvi guarda-la e mandar em 2010.

Enfim né, tava lá com o fulaninho que partiu meu coração no post anterior, dei uma esquecida em outras partes da minha vida, e desencanei de mandar a carta. Mas Deus tem esse timing perfeito né? Hoje, dias depois do meu coração ser partido, bem no dia que estou indo pro meu primeiro dia no emprego novo, passo na padaria da rua da minha casa e QUEM EU VEJO COMENDO UM SALGADO? Ele! O amor da minha vida! Dá pra acreditar numa coisa dessas? Pois é, eu também não acreditei quando vi, então resolvi chegar mais perto.

– Oi…Você é o Felipe né?

– Sim… (cara de interrogação)

– Sabe quem sou eu? (sorrindo que nem idiota)

– Não… (?)

– A Rebiscoito!

Nunca vou me esquecer desse momento. Ele arregalou os olhos, engoliu a comida que estava na boca, pegou um guardanapo e se limpou, levantando da cadeira pra me dar um beijo e um abraço, com um belo sorriso no rosto! Claro que ele também não acreditava que era eu que estava ali, bem na frente dele! (não, o beijo não foi na boca, mesmo porque eu também estava comendo club social e não seria um bom momento naquela hora. hahaha)

Ele puxou uma cadeira e falou preu me sentar com ele. Eu disse que estava indo pro meu primeiro dia num trabalho novo e não podia. Comentamos o fato de como era bacana estarmos nos encontrando assim do nada, sem combinar. Ele me falou que ia ensaiar uma peça perto da minha casa e por isso estava lá. (sim, ele é ator, quer coisa mais apaixonante que isso?) Comentou também o fato deu estar muito cheirosa (hihihi japeguei) e eu disse que tinha que ir embora, mas tinha sido muito bom conhecer ele. Ele falou que logo nos veríamos de novo, pois iríamos marcar de se ver em breve. O final foi assim, bonito, porque eu estava já andando em direção a saída e enquanto ele falava, segurava minha mão. Ai, to me sentindo gay e brega de falar esses detalhes mas na hora eu reparo mesmo!

Saí correndo pra pegar meu ônibus que passava do outro lado da rua. Quando me sentei no banco, recebo uma mensagem de um número desconhecido: “Adorei. Melhor que imaginei e mais cheirosa tb. Bom primeiro dia. Bom primeiro encontro. Bjo, Fe.” Nem lembrava que ele tinha meu celular. Passei quando estavamos marcando o primeiro encontro que não deu certo, e mesmo assim imaginei que ele nem tinha anotado. Respondi dizendo que também tinha adorado e que tinha sido “amor a 2ª vista”.

Enfim, esse é o começo da minha história. Espero que ela tenha uma continuação, e das boas! O que vocês acham? Por enquanto, não vou revelar a verdadeira identidade do rapaz. Quem sabe depois que acontecer, pra não dar azar né? 😉

“É Tudo Improviso”

49 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Fatos da vida, Internet, Relacionamentos