Arquivo da categoria: Comportamento

A felicidade é feita de pequenas esperas

Hoje estou em um daqueles dias em que ando na rua sorrindo e penso: “Cara… Como a minha vida é incrível!”. Eu acho que vivo por esses pequenos momentos e é isso que me faz querer levantar da cama todos os dias. Existem vários momentos e cada um tem uma intensidade diferente. Mas o motivo é sempre o mesmo: se sentir bem. E esperar por eles faz a gente esquecer das coisinhas ruins do nosso dia a dia. Quer alguns exemplos de pequenas esperas?

– a hora do almoço naquele dia chato no trabalho

– um encontro com alguém que você está afim

– uma viagem curta

– uma viagem longa

– o começo de um curso que você queria muito fazer

– a sua festa de aniversário

– o happy hour com os amigos depois de um dia stressante

– as férias

– a hora de ir dormir na cama quentinha quando está aquele frio

– o primeiro dia no seu novo emprego

– a subida de uma montanha russa

Viu só? Existem muuuitos momentos gostosos que a gente espera para se sentir bem. Às vezes as coisas estão uma merda mas você só consegue pensar que logo logo vai se distrair com algo bom e que nem vale a pena pensar no agora. Por isso digo que a felicidade é feita dessas pequenas esperas. Quando estou chateada, sei que vai passar. Sempre passa. Uma hora ou outra. E eu vivo por esse momento que tive agora pouco de andar na rua e ter vontade de sorrir para as pessoas que eu nem conheço.

Ando meio triste por estar sozinha, não ter alguém que eu goste e seja correspondida. Fico de saco cheio de sair, conhecer pessoas que sei que não vão agregar nada na minha vida… Mas vira e mexe, quando a gente menos espera, acontece uma coisa legal. Ontem foi a terceira vez seguida na semana que eu fui pruma balada. As duas primeiras foram uma merda, e ontem não seria diferente. Pelo menos na minha cabeça não ia ser. Estava eu ali encostada na parede, observando o comportamento das pessoas e pensando beeeem longe, em como seria quando eu fosse morar em Londres. Vi um cara fazendo movimentos suspeitos e pensei: “Xiii.. Lá vem o cara chegar em mim, que preguiça.”. Obviamente eu estava certa e como ele era meio bonitinho, resolvi fazer diferente. Comecei uns papos estranhos falando pra gente tirar uma foto juntos e nunca mais se ver na vida. E daí sei lá, começamos a conversar e a coisa foi ficando legal. No fim da balada acabamos ficando e foi super gostoso, mas eu não peguei o telefone dele. Nem o Twitter, Facebook, e-mail, cpf, tipo sanguíneo, sobrenome… Nada.

Na hora foi meio que por orgulho, só ia manter contato se ele quisesse. Assim que sai da balada me arrependi amargamente porque tinha sido super legal, mas daí já era tarde demais. Dei uns passos pra ir embora, e ele apareceu lá fora me procurando. Demos mais alguns beijos apaixonados, daqueles de despedida como se nunca mais fôssemos nos ver… E eu acabei não pegando o contato dele de novo. Sei lá porque, achei que não deveria já que ele também não pediu. Hoje eu acordei e, ao contrário do que eu pensava, não estava nem um pouco arrependida. A noite foi incrível e terminou ali. Eu tive um dia seguinte ótimo, sem ficar na nóia se o cara ia me ligar e querer me ver de novo. A melhor sensação do mundo é saber que a sua felicidade não depende da atitude de ninguém. Andei na rua, tomei um café. Dei informações para pessoas perdidas na Paulista e vi como o dia estava lindo.

Então… Eu vivo por esses pequenos bons momentos que me fazem querer sorrir que nem boba andando na rua. E não preciso de mais nada por enquanto. Sei lá, senti vontade de contar isso pra vocês porque acho que as pessoas precisam se contentar mais com elas mesmas e ver beleza onde normalmente não há. Qual é a sua pequena espera agora? 🙂

Anúncios

20 Comentários

Arquivado em Comportamento, Relacionamentos

Como dar um fora educadamente?

Quando saio a noite, adoro observar as pessoas. Faço muito isso, principalmente com casais que estão flertando. É engraçado ver que a linguagem corporal às vezes vai totalmente contra o que a pessoa está falando. Às vezes fico com vontade de estudar pessoas e começar a ganhar dinheiro com isso, sei lá como.

Clichês do flerte na balada

ODEIO meninas que ficam de mimimi na hora do xaveco. Você vê que ela ta lá toda se esfregando no cara, mas na hora que ele vai tentar beijar ela vira o rosto e dá uma risadinha. Eu não teria paciência para ser homem. A primeira que me fizesse de besta assim, já me daria vontade de virar as costas e ir atrás de outra. Aliás, como mulher, acho que sou muito diferente das garotas por aí. Pelo menos nessa coisa do começo. Andei pensando nos últimos caras que fiquei, e me dei conta que fui sempre eu que fiz as coisas acontecerem. Acho até que prefiro assim. Se estou na balada e vejo alguém que me interessa, dou um jeito de falar com a pessoa nem que eu tenha que me aproximar com o papo mais nada a ver do mundo. (E não me venham com aquela historinha chata de não beijar pessoas na balada. Se tô solteira e me interessei, não vejo motivos para não fazer.)

Mas esses dias me aconteceu uma coisa engraçada e eu comecei a pensar que talvez alguns homens gostem desse tipo de flerte. Essa coisa da insistência, de ganhar a garota… Acho que eu é que sou muito prática e sincera: se eu quero, quero, se não quero, não quero. E se não quero, não vou ficar fingindo que quero só pro cara ficar no meu pé. Porra, eu tenho mais o que fazer, né? E ele também. Acho que é um puta desperdício de tempo.

Aconteceu comigo

Um dia estava numa balada, super cansada e meio com preguiça de dançar. Daí apareceu um “amigo” que eu já tinha ficado numa noite e tinha sido bem legal. Mas na noite em que ficamos, eu tava super afim e era super propício. Nessa noite não. Daí começamos a conversar e eu percebi pela linguagem corporal que ele ia tentar chegar em mim. Então comecei a responder com o corpo que não ia querer. Obviamente, o cara não percebeu. Ou percebeu, mas ignorou e continuou tentando. Sabe… Eu não gosto de dar fora nas pessoas, de ter que dizer não na cara. Mas tem homem que PEDE por isso. No meio das nossas conversas, até falei numa boa que tava cansada e não queria ficar com ninguém, mas ele parecia ignorar totalmente o que eu falava. Quando menos esperava, tava ele lá tentando dar umas fungadas no meu pescoço. Achei que um simples NÃO faria ele parar, mas… Que cara insistente! Falei pra ele que a noite que a gente ficou foi super legal e que poderia até rolar outra vez mas não naquela noite. Daí, estávamos sentados no sofá e eu disse: “Vamos levantar e ir com o pessoal pra pista, não quero ficar aqui sozinha com você.” E ele respondeu algo do tipo: “Mas se você não quisesse, não estaria aqui comigo até agora.” Tipo, OI??? Eu tava lá conversando numa boa com o cara tentando não ser escrota e sair deixando ele falando sozinho, e ele vem me dizer uma coisa dessas? “Olha, só estou aqui com você, porque acho escroto meninas que saem e deixam os caras falando sozinhos. Só não saí porque não seria legal da minha parte, mas ok, to indo lá então.” e fui embora. Se a pessoa praticamente pede pra gente tratar ela mal, a gente trata, não é mesmo?

Moral da história

Tem cara que gosta de tomar fora. Não é possível. Tentei ser legal falando a verdade para continuar numa boa mas ele não quis nem saber. Se pra dizer “não” prum cara, eu preciso ser babaca… Não sei mais onde estão as pessoas legais nesse mundo.

Alguém? :/

36 Comentários

Arquivado em Comportamento, Relacionamentos

Home office – o início

Pronto, meus dias trabalhando em agência acabaram. Sim, me demiti porque estava questionando totalmente a minha vida profissional, minha relação com a publicidade e o sumiço repentino na minha criatividade e das coisas que sentia prazer em fazer. Foi muito difícil criar coragem para dar um passo tão grande assim: pedir demissão de um lugar que eu adoro trabalhar, adoro as pessoas e a forma como as coisas são vistas. Fui parar na iThink meio que sem querer, para começar a equipe de social media sem nunca ter trabalhado efetivamente com isso. Foi lindo, aprendi pra caramba e sempre fui apaixonada pelo trabalho. Mas quando a paixão acabou, quando aquilo tudo parou de fazer sentido pra mim, eu resolvi sair.

Não há nada errado em desistir

No ápice das minhas dúvidas, resolvi ler um livro indicado por um amigo, chamado O Melhor do Mundo. Me ajudou muito a entender o que estava acontecendo e o que eu deveria fazer. Sim, eu desisti. Mas desisti de algo que eu realmente não queria pra mim naquela hora, não fazia sentido continuar. Poderia ter uma carreira brilhante, aprender mais, crescer mais… Mas pra chegar onde? O lugar que eu ia chegar ficando onde estava, era um lugar que eu não almejava. Então não devo ficar chateada por ter desistido. Devo ficar feliz por ter dado um passo tão corajoso, rumo a sei lá onde, em busca de algo que ainda não sei o que é.

Trabalhando de casa

Para não ficar a deus dará, arrumei uns freelas e vou trabalhar de casa. Estou morrendo de medo disso pois adoro pessoas, rotina de transporte público, ver gente, falar com todo mundo… Imagino o quanto vai ser bizarro não saír todo dia de manhã para pegar metrô e ir pro trabalho. O máximo de distância que terei para percorrer é da cama até o computador e do computador até a cozinha em meu horário de almoço. Pra quem vou ficar falando merda o dia todo? Com quem vou dividir as guloseimas que gosto de comer a tarde? Também não sei e isso me deixa um tanto quanto chateada. Pretendo procurar amigos que também trabalhem de casa, que tenham horários alternativos e topem ir comigo até um café com wifi trabalhar de lá. Agências ou estúdios pequenos de amigos que me aceitem por um dia, ou sei lá.

Companhias virtuais

Já que vou estar sozinha, decidi que quero estar com vocês. Vou começar a escrever mais sobre essa experiência para me sentir um pouco menos solitária. Mas para isso, preciso da ajuda de todos, ok? Comentando, me mandando mensagens de força, de amor, de compaixão… Não me deixem sozinha apodrecendo na solidão do meu quarto!

Se preferir, veja no Youtube

Vai ser legal receber dicas de pessoas que também trabalhem de casa. O que fazer, como administrar nosso tempo. Quais são os pontos bons de tudo isso e como podemos fazer para não nos sentirmos tão abandonados no mundo. Vocês topam estar comigo nessa? Espero que sim. ♥

51 Comentários

Arquivado em Comportamento, Cotidiano, Eu, Vídeo

Adeus, Barcelona!

“Como nunca pensei nisso antes?” foi a primeira coisa que me veio a cabeça ao ver esse vídeo. Vivo matutando ideias para surpreender pessoas com bilhetes, sorrisos, surpresas, presentes e não é nada fácil, sabe? Mas as melhores ideias são sempre as mais simples. Talvez isso que as torne tão incríveis. E quando eu acho pessoas que fazem o mesmo, me dá uma alegria no coração, uma vontade de mostrar pra todo mundo e mais ainda: a vontade de continuar surpreendendo pessoas, sempre.

Não vou me alongar muito nessa introdução, mas olha só que pessoa incrível! Vou traduzir a seguir o que ele fala no início do vídeo, então se você não souber inglês ou espanhol, leia antes:

“Oi,

você não me conhece e eu também não te conheço, mas isso não importa.

O importante é que fui muito feliz durante os 3 anos em que morei em Barcelona e a forma que
encontrei de agradecer a cidade foi soltar vários balões com entradas grátis para uma peça de teatro.

Fazendo isso, conseguirei que pessoas como você possam se divertir tanto quanto eu nessa cidade maravilhosa.

Acredito em um mundo mais altruísta, onde as pessoas olhem menos para seu próprio umbigo e se preocupem mais com a felicidade de todos, não apenas de seus familiares e amigos.

Um mundo com mais amizade e respeito, que pode começar hoje se todos nós dermos algo para alguém sem esperar nada em troca.

Espero que você goste do presente.

Até logo,

Lucas.”

…mágico, não é? Diz se você não se inspirou e deu vontade de fazer alguma coisa boa para alguém aleatório, que você nem conhece? Bom, esse é o espirito e é algo que só depende de você. Então tire essa bunda da cadeira e ponha a mão na massa! Valeu ao Nix, que foi quem me indicou o vídeo.

Ah! Dei uma pesquisada sobre o tal do Lucas, e descobri que ele é designer e hoje em dia mora em Sydney, Austrália. Deixei também uma mensagem no Facebook dele tietando, confesso que estou morrendo de vergonha mas e daí? Gente assim eu quero bem perto!


19 Comentários

Arquivado em Comportamento, Vídeo

Amores Imaginários

Você já teve algum?

Ontem assisti um filme que queria ter visto ano passado e ele meio que me deu uma luz sobre a vida. Já pararam pra pensar quantas vezes amamos alguém sozinhos? Na verdade a gente só percebe que amou sozinho quando já parou de amar, porque daí já estamos pensando mais com a cabeça e não com o coração. É nessa hora que percebemos o quanto fomos idiotas de não enxergar os sinais. Por isso dizem que o amor é cego! Você fica completamente cego e não percebe o que realmente acontece ou acaba querendo fechar os olhos de propósito. São aquelas famosas chances que a gente dá pras pessoas quando não queremos desistir delas.

O filme Amores Imaginários (Les amours imaginaires ou Heartbeats), conta a história de 2 amigos: Francis e Marie. Eles conhecem um cara incrível e novo na cidade chamado Nick, e acabam se apaixonando por ele. Daí rola um forte triângulo amoroso e a gente fica naquela ânsia para saber se no final a amizade de Francis e Marie vai mesmo acabar porque eles começam a brigar sutilmente pelo cara. Bom, não vou contar o final do filme, quero que vocês assistam e venham aqui me contar se gostaram ou não.

A questão é que depois de ver o filme me dei conta de que muitos dos meus amores são imaginários. Amores em que amamos sozinhos, sem perceber os sinais claros onde a outra pessoa diz: não, eu não estou afim de você. É como quando a gente é criança e gosta de um menininho na escola: se o menininho parar e te der um simples oi, você já pensa: Ounnn, ele também me ama!

Além de enxergar sinais que não existem, é preciso ter muito cuidado com pessoas que dão sinais falsos. É sempre bom ter alguém gostando da gente, certo? Muitas pessoas acabam dando pequenos sinais para prenderem os outros mas na verdade é tudo uma farsa. Dar sinais falsos é uma das piores coisas que a gente pode fazer com alguém. É injusto, é maldoso e principalmente: é triste. Mostra que você não é bom o suficiente para se sentir bem sem ninguém babando seu ovo. Auto estima beibe, até quem parece bem pode não ser completamente seguro de si.

Não dê sinais falsos e esteja sempre atento às circunstâcias. Pensar com o coração é muito bonito até o momento em que começamos a ser humilhados pelo outro. Isso evita aquele sentimento péssimo que rola quando percebemos tudo que aconteceu. Droga, era tudo da minha cabeça. Mais um amor imaginário para a coleção! Quando vamos começar a dar atenção apenas aos amores que realmente interessam?

Deixo aqui o link de uma música que faz parte da trilha sonora do filme e eu adorei: The Knife – Pass This On

25 Comentários

Arquivado em Comportamento, Filmes, Relacionamentos, Vídeo

Achados e Perdidos

É engraçado o que podemos achar se andarmos atentos ao chão. Eu sempre ando nas calçadas de olho em qualquer papelzinho miúdo que possa conter informações escritas por outra pessoa. Adoro bilhetes! Adoro pessoas e as histórias que elas vivem.

Dessa vez o achado não foi um bilhete, e sim, algo talvez tanto quanto ou mais interessante que um bilhete: uma foto 3×4. Quando achei, ela estava virada de cabeça para baixo e eu dei um chutinho para tentar virá-la sem ter que pegar com a mão. Nisso, ela deu uma raspadinha no chão e riscou toda. Se não fosse o chutinho teria a foto novinha em mãos.

Como sempre analiso os bilhetes que encontro, resolvi analisar essa foto também. O cara da foto, para ser mais exata. Encontrei ela na Av. 9 de Julho numa segunda feira de manhã.

Será que é possível analisar a vida desse cara apenas olhando para sua foto 3×4? Vou me atrever a tentar. E se você reconhecer ele de algum lugar, me conte quem é! Imagina ele chegar até meu blog, ver a análise e virarmos amigos? Bom, espero que um dia ele veja isso.

Segue a lista de impressões que tive dele:

Ele deve ter um nome comum, tipo Rafael ou André e provavelmente está no auge de seus 20 e poucos anos. Gosto dos alargadores e da cor de sua blusa, isso mostra que ele é meio alternativo e deve gostar de boa música. Imagino que ele deva ser um cara divertido, daqueles que é legal ser amigo, sabe? Deve tocar algum instrumento, provavelmente tinha uma bandinha quando era mais novo e hoje em dia trabalha com algo relacionado a design ou música. Se não for isso, com certeza ta dentro da área de humanas.

Se ele não tiver uma namorada, deve ter uma garota. Uma garota que talvez nem goste dele, mas que ele gosta faz um tempo. No fim das contas, ele não vai ficar com ela. Ele vai acabar achando uma garota mais legal e divertida, que tem tudo a ver com ele e eles vão se dar muito bem juntos.

Ele seria o tipo de amigo que eu chamaria para tomar uma cervejinha gelada no boteco da esquina. Não tem cara de quem é metido e gosta de lugares caros. Também não é o tipo de cara super extrovertido que curte tirar fotos e falar com todo mundo.

Aliás, não acho que ele tenha gostado do resultado da sua foto 3×4, afinal… Quem gosta? Fora que ele deve ter uma pitadinha de avoado para ter perdido essa foto e assim ela chegar até mim. A última coisa que fiquei pensando é que ele é o tipo de cara que acha um saco fazer a barba. Não que ele fique parecendo um mendigo, mas ele só faz a barba quando necessário para continuar um pouquinho aceitável para a sociedade.

E aí, o que acharam? Queria que cada um de vocês fizesse sua análise sobre o cara aí nos comentários do blog 😉

Update: a Gabriela deixou um comentário nesse post que funcionou como a cerejinha do bolo. Ela disse que ele usa o tênis Mad Rats, que é o mesmo que eu uso e eu acho que é a cara dele! Sabia que o post ficaria incompleto se eu não disesse o tênis que ele usa, afinal, tênis dizem muito sobre as pessoas. Então, ta aí. Nosso amigo da foto 3×4 usa Mad Rats!

76 Comentários

Arquivado em achados e perdidos, Comportamento

Sobre um Primeiro Encontro

Você gosta de Woody Allen? Pois tem uma cena de um dos filmes dele que, enquanto eu via, tive um insigh enorme e precisei escrever esse post. Como não ia parar o filme no meio só pra vir escrever no blog, resolvi gravar um vídeo e registrar meus pensamentos. (foi a maneira mais rápida que encontrei na hora)

Não tenho a intenção de começar um vlog nem nada, fora que não manjo bulhufas sobre como editar um vídeo, então ele ta com todos os erros e eu tô nem aí!

O nome do filme é Annie Hall e a tradução em português é Noivo Neurótico, Noiva Nervosa. A cena se passa na rua, e os 2 estão caminhando até o restaurante que vão jantar quando Alvy Singer (Woody Allen) para no meio da calçada e anuncia que vai dar um beijo em Annie Hall (Diane Keaton). Ela, meio sem entender, pergunta o porquê daquilo do nada e ele explica que será mais fácil beijar antes invés de ter que passar por todo aquele tralalá na hora de dar “o tão esperado beijo”.

Eles acabam se beijando rapidinho e o romantismo todo é quebrado, mas eles tem a vantagem de conseguirem jantar tranquilamente sem ter aquela vontade louca de vomitar todas as malditas borboletas no estômago (que todo mundo adora quando sente, menos eu). Gente, é sério, vocês realmente gostam dessa ansiedade que sentem antes de um encontro? Eu odeio encontros marcados! Sinto vontade de vomitar a alma de tão nervosa que fico. Odeio quando chega essa hora do “tão esperado beijo” porque geralmente ele vem de um jeito bizarro e constrangedor, ou, quando a pessoa tenta aveludar o momento eu acho brega e quero morrer.

Enfim, assistam o vídeo com meus pensamentos sobre a cena com direito a erros de gravação e vergonha alheia. Já que eu não sei editar, errei palavras, o filme começou a tocar no meio e eu levei um susto enorme, gaguejei, fiz feio e ainda falei palavrão. Acho feio falar palavrão, só falo quando tô fora de controle.

E ah! Se você ainda não assistiu o filme, recomendo viu? É muito bom.

51 Comentários

Arquivado em Comportamento, Eu, Relacionamentos, Vídeo